Mês

maio 2018

  • Legalize sua obra e fique tranquilo!

    O sonho de construir está cada vez mais próximo e com certeza você já deve estar pensando em como será o projeto da sua casa.

    Mas, antes de começar a construir, é importantíssimo providenciar alguns documentos e legalizar a construção, para que você não tenha nenhum tipo de problema com a fiscalização, durante as obras.

     

    Porque a documentação é importante:

    Porque toda obra dever ser aprovada pela prefeitura do município antes de ser iniciada. Caso contrário poderá ser barrada pela fiscalização e o proprietário poderá ter de pagar uma multa além da possibilidade da obra ser demolida, dependendo do projeto.

     

    Como fazer a legalização da obra:

    Você deve ir até a prefeitura da sua cidade e verificar a documentação necessária. Cada cidade tem regras próprias e pode pedir documentação específica.

     

    Documentos básicos para legalizar a obra:

    1. Matrícula do imóvel

    Você deve ter certeza de que o terreno em que vai construir está regularizado. Para isso, confira se ele tem uma matrícula registrada no cartório de imóveis da sua cidade.

     

    2. Alvará de construção emitido pela prefeitura

    Para conseguir esse documento, o terreno e o tamanho da construção devem seguir as regras do município. Por isso, a construtora ou o responsável pela obra deve entregar o projeto na prefeitura. Se o projeto for aprovado, o alvará será emitido. “Esse alvará é essencial para iniciar a construção da nova casa”.

     

    3. ART (Anotação de Responsabilidade Técnica)

    O engenheiro ou arquiteto que fizer o projeto deve apresentar a ART à prefeitura junto com o plano de construção. Esse documento prova a ligação entre ele e a obra que irá realizar.

    O responsável por fazer esse documento é o próprio profissional, mas é importante que o dono da casa confira se a ART foi entregue.

     

    4. Habite-se da obra

    No fim da construção, a prefeitura faz uma vistoria no imóvel para saber se as regras locais foram seguidas. Se estiver tudo em ordem, ela emitirá o Habite-se, chamado também de certificado de conclusão de obra.

     

    5.  Regularização da Obra na Receita Federal – Certidão negativa de débito do INSS

    Após a solicitação da certidão do habite-se, o empreendedor deverá solicitar a certidão negativa de débito (CND) do INSS (Instituto Nacional de Seguridade Social). Este documento será emitido pela previdência social, para comprovar a regularidade de contribuições com a Seguridade Social.

     

    6. Registro de imóvel

    “Com a planta do imóvel e o Habite-se em mãos, o proprietário deve ir até o cartório de registro de imóveis mais próximo, para registrar que uma casa foi construída naquele terreno”.

     

    7. Cadastro do imóvel na prefeitura

    Por fim, você precisa ir até a prefeitura para que sua casa receba um número de cadastro e esteja totalmente legalizada. Alguns cartórios pedem o cadastro antes de registrar o imóvel, enquanto outros fazem o registro primeiro.

  • Confira dicas sobre instalação elétrica segura

    Hoje falaremos dos quesitos básicos para se realizar uma instalação elétrica segura e entender o funcionamento dos elementos que compõem a rede elétrica.

    Primeiro é importante entender que projetar e executar uma instalação elétrica é um assunto muito sério, que exige conhecimento, principalmente sobre a aplicação de normas de segurança.

    O projetista, que é o profissional responsável pelo dimensionamento adequado dos fios e outros componentes que compõe a rede elétrica de um imóvel, deve ter pleno conhecimento sobre as técnicas e materiais a serem utilizados para alimentar adequadamente lâmpadas, tomadas e interruptores.

    ETAPA 1: O PROJETO

    É fundamental projetar a instalação elétrica antes de instalá-la. No projeto estarão contidos todos os elementos que serão implantados (dimensões, materiais, locais e etc). Portanto contrate um projetista profissional para que o projeto seja realizado corretamente, evitando problemas futuros.

    É no projeto que você define onde serão instaladas as tomadas e interruptores, assim como os pontos de internet e TV a cabo. Por isso pense bem, avalie todas as necessidades presentes e projete as necessidades futuras.

    ETAPA 2: CÁLCULOS

    – Faça o levantamento da potência ativa total (W) levando em consideração as potencias mínimas previstas para iluminações e tomadas;

    – Faça o cálculo da quantidade de pontos de luz e tomadas, de uso geral (TUG) ou de uso específico para cargas de maior potência (TUE) e de suas respectivas potências;

    – Dimensione o circuito de distribuição que ficará entre o quadro medidor, onde se recebe a alimentação de energia da concessionária, e o quadro de luz responsável por energizar o interior da residência;

    – Realize a instalação do quadro de luz seguindo as orientações da companhia responsável pelo abastecimento de energia da sua cidade;

    – Defina quantos circuitos terminais serão necessários para alimentar as cargas de iluminação e tomadas, determinando o valor da corrente nominal em ampares (A) para cada um;

    – Especifique a sessão reta ou bitola dos condutores (fios e cabos elétricos) necessários, baseando-se no valor da corrente nominal em cada circuito;

    – Calcule o diâmetro interno dos eletrodutos (onde serão adaptados os condutores);

    – Conforme a intensidade nominal, dimensione os disjuntores a serem utilizados no quadro de medição e no quadro de luz (nesse é utilizado um de entrada e um de proteção dos circuitos terminais);

    – Defina se os eletrodutos serão embutidos ou não;

    – Verifique a necessidade de instalação do DPS (dispositivo de proteção contra surtos de tensão), recomendado para regiões com alta incidência de altas descargas atmosféricas provenientes de relâmpagos;

    ETAPA 3: DESENHO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA

    É necessário determinar, através de simbologias, os elementos que estarão presentes e suas especificações em termos quantitativos e qualitativos. Para isso, utilize a planta baixa do seu imóvel.

    – Desenhe o quadro de distribuição (onde ficarão as proteções dos circuitos por meio dos disjuntores);

    – Desenhe a localização dos quadro de medição e de luz, dos pontos de luz e interruptores que irão acioná-los, tomadas (TUG’s e TUE’s) referenciados pelos eletrodutos cujo os diâmetros e quantidades devem estar sinalizados, assim como a bitola e a função dos condutores;

    – Os símbolos gráficos devem estar em conformidade com a norma NBR 5444 da ABNT.

    ETAPA 4: EXECUÇÃO

    Agora que já sabemos os equipamentos necessários para a sua instalação elétrica é preciso contabilizar o material que será utilizado na execução. Contrate um eletricista qualificado para realizar o trabalho, para manter a segurança da sua casa e da sua família.

    – Montagem de caixas de passagem e ligação bem como eletrodutos;

    – Ajuste dos condutores no interior dos eletrodutos;

    – Montagem dos quadros de distribuição e de luz, assim como do eletrodo de aterramento (responsável pela proteção geral de toda a instalação contra a tensão de contato perigosa);

    – Instalação dos pontos de luz, tomadas e interruptores;

    – Ligação dos condutores que irão gerar a alimentação dos componentes;

    – Teste para verificar se tudo está funcionando corretamente;

    – Não esqueça de realizar o padrão de entrada com uso de estruturas de fornecimento de energia por ramal aéreo de distribuição, conforme regulamentado na concessionária local.

    – Realize revisões periódicas na instalação elétrica de sua residência, estas dicas irão evitar acidentes ou até mesmo um incêndio.

    O quadro de distribuição (ou quadro de luz):

    Ele é a parte central da instalação elétrica da sua residência é dele que partem todos os circuitos internos. Ele é composto por um disjuntor geral e diversos disjuntores relativos ao circuito de iluminação, tomadas e equipamentos específicos (chuveiro, ar condicionado, micro-ondas…). O acesso a ele deve estar sempre desobstruído, nunca deve ser molhado ou lavado, deve possuir uma tampa interna e não deve ter materiais combustíveis próximos a ele (como madeira).

    Cabos elétricos

    Os cabos elétricos são fundamentais para o bom funcionamento e segurança das instalações residenciais. O mais comum é aquele que possui um condutor com vários filamentos de cobre e revestimento de plástico (PVC). Opte sempre por um material de qualidade reconhecia no mercado, assim estará adquirindo um produto que está dentro das técnicas e normas vigentes. Os mais fáceis de trabalhar são os fios flexíveisOs cabos e fios devem ser SEMPRE antichamas.

    Veja como escolher o cabeamento correto:

    Tipo de circuito Tensão (volts) Potência Máxima (Watts) Seção do fio (mm²) Disjuntor máximo (A)
    Iluminação 110 1.500 1,5 15
    Tomadas 110 2.000 2,5 20
    220 4.000 2,5 20
    Chuveiro e torneiras elétricas 220 6.000 6 35
    Ar Condicionado 220 3.600 4 25

     

    Veja as potências de alguns eletrodomésticos:

    Eletrodoméstico Potência (watts)
    Lâmpada incandescente 60 – 100
    TV 60 – 300
    Geladeira 400 – 800
    Máquina de lavar roupa 600 – 2.000
    Microondas 800 – 1.500
    Torneira Elétrica 4.000 – 6.000
    Chuveiro Elétrico 5.000 – 6.500

    Em caso de EMERGÊNCIA ligue 193.

    E não se esqueça de fazer também todas as instalações de internet e TV a cabo em paralelo a instalação elétrica, assim você quebra as paredes de uma vez só e embute toda a fiação.