Mês

janeiro 2019

  • Atenção, cliente!

    Atenção, Cliente:

    Situação: estão acontecendo casos em que o proprietário do lote é abordado por alguém que compra terra de escavação e lhe é ofertado para que essa pessoa faça a escavação em troca da terra.

    Problema: muitas vezes, a empresa que fez o contato não toma os devidos cuidados e acaba invadindo os lotes vizinhos ou escavando mais do que deveria.

    Solução: Antes de escavar o seu lote, se houver intervenções nas divisas, contrate um engenheiro calculista que possa fornecer um projeto estrutural de contenção. Execute o escoramento adequadamente e o muro de arrimo imediatamente após o corte ou aterro para evitar danos nos terrenos vizinhos ou até mesmo comprometer a sua própria obra. 

    Terraplanagem – Corte e Aterro

    A terraplanagem é uma etapa crucial para o início da sua obra e depende de um levantamento topográfico para o nivelamento do Seu terreno.

    Antes de iniciar essa etapa você precisa estar com o seu projeto pronto e aprovado para otimizar o serviço.

    Dependendo da topografia do seu terreno você terá que executar corte ou aterro apara o nivelamento do local aonde será locada sua construção.

    Terrenos planos são ideais para construção de casas térreas, pois necessitam de menos corte e aterro. Terrenos com maior aclive ou declive são propícios para construções em mais de um nível, como sobrados, sendo possível aproveitar as condições naturais do terreno no projeto e evitar grandes movimentações de Solo.

    Corte e Aterro nas Divisas

    Atenção,

    Normalmente seu terreno fará divisa com pelo menos mais 3 outros terrenos,  um terreno ao fundo e os demais, nas duas laterais. Dependendo da terraplanagem que for executar, você necessitará fazer cortes ou aterro próximo à divisa. Para os dois casos é necessário a execução de muros de arrimo que irão suportar o confinamento do solo e evitar problemas como a movimentação do solo no seu terreno e nos dos vizinhos.

    Essa movimentação não pode ocorrer, pois causará danos estruturais a sua obra ou na residência do seu vizinho. Portanto antes de fazer qualquer tipo de movimentação de solo próximo a divisa de seu Lote procure um profissional (Engenheiro ou Arquiteto ), para evitar problemas com seu vizinhos .

    – Nunca escave verticalmente na divisa do seu terreno sem antes conversar com o seu vizinho;

    – Caso seu projeto necessite de escavação nas divisas, execute de imediato o muro de arrimo ou contenção para evitar movimentações no terreno vizinho;

    – Execute o muro de arrimo dentro do seu terreno para evitar conflitos com seu vizinho. Você também pode entrar em contato para fazer um acordo ou solicitar uma autorização para essa obra na divisa;

    -Evite fazer essas escavações em períodos chuvosos, nesse período a tendência é aumentar os problemas com movimentação de solo e erosões;

    – Muros de arrimo e contenção necessitam de uma estrutura mais resistente que muros convencionais, pois nesse caso eles precisam suportar esforços laterais do solo que está confinado (procure um engenheiro calculista);

    – Impermeabilização – para muros de arrimo onde o solo ficará em contato com a parede é indispensável utilização de impermeabilizante, que contribuirá para a vida útil dessa estrutura.

    Caso você opte por não escavar a divisa é possível executar um talude respeitando a inclinação mínima para evitar a movimentação do solo do seu vizinho. Nesse caso procure manter esse talude com vegetação, para evitar erosões.

    Atenção com as águas pluviais (água da chuva). É importante captar e direcionar essas águas para a sarjeta (na rua em frente a sua casa) evitando problemas de umidade tanto na sua casa quanto nas casas dos seus vizinhos!

    Caso não esteja satisfeito com a obra em sua divisa com seu vizinho, procure fazer contato com o mesmo para esclarecer suas dúvidas. Não esqueça que é muito importante o auxilio de um profissional qualificado para projetar e acompanhar a obra.

    Para reclamações e dúvidas procure a Ouvidoria da Prefeitura Municipal ou a Secretaria de Habitação Municipal (no departamento do DIPROURB). Eles são responsáveis pela aprovação e fiscalização das obras.

    O CREA, Conselho Regional de Engenharia, também recebe denúncias de obras irregulares e faz a fiscalização para exigir o acompanhamento técnico. Não esqueça que é indispensável aprovar seu projeto na prefeitura antes de começar a obra.

  • Confira como estruturar sua obra de forma segura e didática

    Como estruturar sua obra de forma segura
    Estrutura é o conjunto de elementos que sustentam e dão estabilidade a uma construção. Os elementos que consistem a base de uma estrutura são: fundação, pilar, viga e laje.
    1- FUNDAÇÃO:
    A fundação é a parte da construção destinada a receber o peso da obra e reparti-lo no solo do terreno garantindo a estabilidade. Em geral é construída abaixo do terreno e é a primeira parte do prédio a ser construído.
    A escolha do tipo, dimensões e forma da fundação depende da carga a ser recebida e resistência do solo em que se encontra.
    É possível realizar as fundações com os materiais tradicionais usados na construção. Contudo, pelo seu deficiente comportamento em determinados meios, a madeira e o ferro são poucos utilizados.
    Para escolher o tipo de fundação é preciso saber quais serão os esforços sobre a edificação, as características do solo e dos elementos que formam as fundações. Basicamente há dois tipos: fundações superficiais (rasas ou diretas) e fundações profundas, definidas pela ABNT NBR 6122/2010.

    a- Fundações superficiais
    Elementos de fundação em que a carga é transmitida ao terreno, predominantemente pelas pressões distribuídas sob a base da fundação. A profundidade de escavação é inferior a 3 metros e são utilizadas em cargas leves, como residências, ou no caso de solo firme.
    Tipos de fundações superficiais:

    Sapata: elemento de concreto armado, geralmente quadrada, retangular ou trapezoidal, dimensionado de modo que as tensões nele produzidas sejam resistidas pela armadura, não pelo concreto. A sapata corrida recebe a carga distribuída linearmente. A sapata associada recebe vários pilares, cujos centros não estão no mesmo alinhamento.

    Bloco de fundação: elemento com base quadrada ou retangular com elevação que se assemelha a um pedestal e absorve a carga, distribuindo-a sem a necessidade de armadura.

    Radier: Semelhante a uma placa que abrange toda a área da construção, recebendo toda a carga e distribuindo-a no terreno.

    Viga de fundação: elemento comum a vários pilares, cujos centros estão no mesmo alinhamento.

    1. Fundações profundas

    São elementos que transmitem a carga ao terreno pela base, pela superfície lateral ou por uma combinação das duas. São utilizadas em casos de grandes projetos, como edifícios altos, nos quais os esforços do vento se tornam consideráveis e nos casos em que o solo só atinge a resistência suficiente em grandes profundidades, superior a 3 metros – salvo exceções. Os tipos mais comuns são as estacas, tubulões e caixões.

    Tipos de fundações profundas:

    Estacas: Elemento executado inteiramente por equipamentos ou ferramentas, sem que, em qualquer fase de sua execução, haja descida de operário. As estacas têm grandes comprimentos e seções transversais pequenas, podem ser de madeira, aço, concreto pré-moldado, concreto moldado in loco ou mistos.

    Tubulões: Elemento de fundação profunda, cilíndrico, em que, pelo menos na sua etapa final, há descida de operário. Pode ser feito a céu aberto ou sob ar comprimido (pneumático) e ter ou não base alargada. Pode ser de aço ou concreto, com ou sem revestimento.

    Caixões: Elemento de forma prismática, concretado na superfície e instalado por escavação interna, podendo usar ar comprimido; sua base pode ser alargada ou não.



    • 2. PILAR

    Parte da estrutura vertical que sustenta as construções. Transmite às fundações as cargas das vigas e lajes. Suas dimensões dependem da carga que receberá e da quantidade de pilares. Em geral, chamamos pilar com forma quadrada ou retangular, sendo chamada de coluna quando o pilar possui forma cilíndrica.

    3. VIGA:

    Elemento estrutural do edifício, geralmente na horizontal que trabalha à flexão e transmite as cargas aos pilares. A estrutura de um edifício ou de parte da construção possui usualmente um conjunto de vigas, chamada de vigamento, onde a principal delas recebe o nome de viga mestre.

    4. LAJE

    Usada como revestimento, possui forma retangular ou quadrada, com superfície plana, contínua na horizontal que constitui um pavimento ou teto do edifício. Recebe diretamente as cargas do edifício, transferindo-as para as vigas.

    IMPORTANTE!

    Este conjunto de elementos é o que vai permitir a resistência a todos os esforços produzidos pelo próprio peso da estrutura, o peso de seus ocupantes e objetos, ventos e sobrecargas.A ruína de uma só dessas partes pode causar o estrago da obra.

  • Saiba importantes dicas sobre como escolher o melhor piso para a sua casa

    Dando continuidade às dicas sobre construção e para que você já vá pensando em com será sua nova casa, a dica de hoje é sobre como escolher o melhor piso para sua casa.

    – Primeiramente é importante saber que cada ambiente da casa exige um piso diferente;

    – Sempre lembre que pisos claros dão mais amplitude aos ambientes;

    – Se deseja dar mais personalidade ou criar uma atmosfera de aconchego, o preto ou cores mais escuras são as indicadas;

    – O piso ajudará a transmitir a sensação que deseja para cada ambiente além de facilitar para o tipo de limpeza necessária em cada um deles;

    – Faça a separação dos pisos de acordo com as portas. Quando não houver uma separação mantenha o mesmo piso, caso haja pode haver uma mudança de modelo, cor e material.

    – O piso não precisa ser um item caro no seu orçamento. Procure em Saldão de Estoque nas grandes lojas, Promoções relâmpago ou mesmo em pequenas lojas especializadas.

    – Lembre-se apenas que na hora da escolha é importante pensar sobre a instalação, manutenção e durabilidade de cada piso;

    Vamos às dicas para cada ambiente:

    COZINHA

    A cozinha costuma ser o ambiente de alta circulação na casa, por isso exige um piso de maior resistência e que seja fácil de limpar. Também não pode ser um piso escorregadio para evitar acidentes ou rugoso para evitar o acumulo de gordura. O porcelanato costuma ser uma boa opção. Mas também é possível investir em uma cozinha mais barata e com personalidade aplicando o piso de cimento. Lembre-se que a cozinha pode se transformar em um local aconchegante para reunir a família.

    BANHEIRO

    Para o banheiro a recomendação são os pisos frios e pouco porosos. Para evitar mofo mantenha o local ventilado e limpeza constante. Para ter um banheiro bonito e econômico sugerimos o cimento queimado ou o piso de cerâmica. Lembrando que devem ser evitados pisos escorregadios em áreas molhadas.

    QUARTOS

    Esse ambiente pede um piso mais quente e aconchegante. Vale apostar nos laminados ou no piso vinílico (feito de PVC e minerais, a instalação é simples e já existe um tipo de piso vinílico com autoadesivo, o que facilita muito sua aplicação). Porém os pisos frios também são utilizados, saem mais em conta, além de facilitar a limpeza do ambiente.

    SALA

    Também é um ambiente bastante frequentado, portanto o piso deve ser resistente e de fácil limpeza. O porcelanato esmaltado é uma opção. Para deixá-lo mais aconchegante, basta investir em tapetes e móveis de madeira. Mas também pode ser utilizado o laminado ou vinílico, se deseja seguir por essa linha e deixar o ambiente mais aconchegante.

    ÁREAS EXTERNAS

    O piso para a área externa depende de alguns fatores. Se o espaço for coberto, porém aberto, o indicado é um piso antiderrapante para evitar acidentes quando chover; se for descoberto, sempre optar pelo antiderrapante; caso seja coberto e fechado, avaliar outras questões, como por exemplo, se possui churrasqueira, nesse caso recomendamos o piso acetinado que facilita a manutenção.

    Esperamos que tenha gostado das nossas dicas para a sua casa!

    Aguarde que em breve enviaremos novas dicas!

    Queremos estar ao seu lado durante todo o processo de

    estruturação da sua casa.

  • Sobrado ou casa térrea? Saiba quais são as vantagens e desvantagens de cada tipo de edificação? ­

    Para se definir entre um tipo ou outro você precisa levar em conta alguns fatores importantes:

    1 Investimento financeiro

    2- Espaço do terreno ocupado pela obra

    3- Dia a dia dos moradores do imóvel e suas necessidades

    CASA TÉRREA

    Investimento financeiro: É menor em relação ao sobrado porque sua estrutura não

    precisa ser tão reforçada. Mas, ao mesmo tempo, o gasto na construção do telhado

    poderá ser maior pois sua área será maior em comparação com um sobrado.

    Espaço do terreno: Esta é uma das maiores desvantagens pois normalmente uma

    casa térrea acaba diminuindo a área útil do terreno que sobra além da construção.

    O ideal seria construir uma casa térrea em um terreno maior do que o terreno adequado

    para um sobrado. Se o seu terreno tiver uma área mais ampla, a casa térrea pode ser

    uma boa opção.

    Dia a dia dos moradores: Como a casa térrea não possui escadas, ela é ideal para

    quem tem crianças, idosos ou portadores de necessidades especiais morando no

    imóvel. Ela também é uma excelente alternativa para quem prioriza a facilidade de

    locomoção, uma vez que este estilo de residência não possui escadas. Outras

    vantagens são a facilidade para mudança de móveis, limpeza e manutenção dos

    ambientes.

    SOBRADO

    Investimento financeiro: Como um sobrado necessita de alicerces mais fortes na

    sua edificação, em geral seu custo é maior do que uma casa térrea. No entanto, um

    sobrado permite a divisão da residência em dois andares, separando com mais

    facilmente a área privada familiar do espaço para visitas.

    Outra possibilidade que a construção de um sobrado oferece é o investimento maior

    na estética arquitetônica do lugar.

    Espaço do terreno: Dependendo da área do terreno, a construção de um sobrado

    pode ser bem mais vantajosa. Se você possui um terreno pequeno ou precisa de uma

    casa maior, mas seu terreno não é muito grande, o sobrado é o tipo de edificação

    mais indicado porque você conseguirá um melhor aproveitamento de espaço nas

    áreas internas do imóvel e também conseguirá deixar uma área livre na área externa

    do imóvel.

    Dia a dia dos moradores: Ao contrário da casa térrea, um sobrado possui escadas e

    por isso não é a melhor indicação para quem tem crianças, idosos ou portadores de

    necessidades especiais morando no imóvel. Mas, dependendo do seu projeto é

    possível construir um cômodo especialmente para estas necessidades no andar

    inferior do imóvel. Desta forma você conseguirá unir algumas vantagens de uma casa

    térrea às vantagens de um sobrado.

    Como você pode ver os dois tipos de edificação têm suas vantagens e desvantagens. Por isso é importante considerar suas possibilidades financeiras, as necessidades e preferências de sua família e quais são os seus planos para o futuro. Com essas informações ficará mais fácil para você tomar a decisão mais acertada.

    Se quiser mais informações sobre seu lote, acesse nosso canal de

    relacionamento através do e-mail relacionamento@mouraleite.com

  • Confira preciosas dicas sobre hidráulica para não errar na hora de construir

    A questão hidráulica da sua casa é um dos quesitos básicos para se iniciar uma

    construção, você sabia disso? Por isso vamos disponibilizar a você algumas dicas

    úteis sobre esse assunto.

    Mas antes vamos entender todo o processo de uma forma geral:

     

    • O fornecimento de água para a sua casa é realizado pela empresa concessionária

    da sua região. Para que ela chegue até sua casa é feita uma ligação entre a

    canalização da rua até o relógio medidor de consumo da sua casa.

    A partir do relógio medidor, ou seja, após a água que veio da canalização da rua

    passar pelo relógio medidor, ela poderá ser distribuída para a caixa d’água e para os

    outros canos hidráulicos da casa;

     

    • Ao instalar a caixa d’água faça sempre no ponto mais alto da construção. A caixa

    d’água deve ter uma boia com registro, que controlará o enchimento de água. É

    importante instalar também uma tubulação chamada “ladrão”, que serve para o

    escoamento de água em caso de transbordamento, como por exemplo se a boia

    travar. O “ladrão” evitará que a água em excesso vaze para dentro da sua casa;

     

    • Limpe as caixas d’água duas vezes ao ano. Isso evitará o acúmulo de lodo nas

    paredes. Aproveite para verificar o funcionamento de sua boia e troque as peças que

    estiverem apresentando problema;

     

    • Faça as demais instalações necessárias ao abastecimento de água para os demais

    locais da casa;

     

    • Nunca utilize na tubulação de esgoto, ângulos de 90°, pois aumentam a tensão e a

    pressão do sistema, além de proporcionar o acúmulo de sujeiras;

     

    • Lembre-se da tubulação de ventilação, ela permite a entrada de ar e garante a

    pressão atmosférica no sistema de esgoto;

     

    • As máquinas de lavar roupas e louças, devem ter, cada uma, uma saída para o

    esgoto. Além de ter uma saída de água que permita o encaixe de mangueira;

     

    • Mesmo que não haja distribuição de gás de rua, deixe a tubulação pronta para evitar

    reformas futuras.

     

    PROVIDENCIE UMA TUBULAÇÃO DE QUALIDADE

     

    A função da tubulação é direcionar a água de uma residência, portanto é essencial

    que ela seja de um material resistente e de qualidade. Não é um item que deva ser

    economizado, pois as chances de haver infiltrações ou vazamentos adquirindo um

    material de qualidade duvidosa são grandes, assim como o prejuízo que terá.

     

    Sempre escolha peças do mesmo fabricante, assim evitará problemas com folgas e

    encaixes. Evite desvios excessivos e ramais com trechos longos, isso irá melhorar o

    desempenho hidráulico.

     

    Por fim, trabalhe com profissionais qualificados, para que a instalação não seja feita

    de forma errada.

     

    REGISTROS

     

    Na instalação dos registros respeite a indicação do fluxo. Não deixe escorrer adesivo

    para dentro dos tubos no momento da soldagem, isso irá danificar as vedações.

     

    Ao instalar saboneteiras, boxe, espelhos e gabinetes, tenha em mãos o projeto

    hidráulico. Nunca derreta os tubos de PVC para emendá-los. Esse material não

    resiste a temperaturas superiores a 40°. O excesso de cola nas emendas gera

    vazamentos por conter solvente na sua fórmula.

     

    Cada banheiro deve ter seu registro separado, pois no caso de ocorrer algum

    vazamento, não haverá risco de todos os ambientes da casa ficarem sem água.

     

    No quintal e jardins, distribua vários pontos, como torneiras, para facilitar a limpeza e

    a rega das plantas.

     

    AQUECEDORES

     

    Os aquecedores centrais devem ser instalados abaixo e em linha reta com as caixas

    d’água. Isso irá proporcionar uma maior capacidade de aquecimento. Caso o aparelho

    não esteja nessa posição, instale um pressurizador entre a caixa d’água e a entrada

    do aparelho, isso fará com que a pressão que chega ao aquecedor seja maior.

     

    ESCOLHA A TORNEIRA

    CORRETA

     

    Na hora da escolha da torneira, seja da pia do banheiro, lavabo, cozinha ou tanque,

    opte por uma boa torneira, que feche com facilidade (sem deixar água pingando), que

    seja resistente à pressão (que não estoure) e que possua o fluxo de água adequado

    para cada área (nem mais forte, nem mais fraco).

     

    Existem inúmeras opções de torneira no mercado, dos mais variados valores e

    modelos e com certeza você encontrará alguma que se encaixe na sua preferência e

    no seu bolso.

     

    ESCOAMENTO DA ÁGUA

     

    Para o escoamento da água é utilizado um sifão ou flexível de metal. Não importa

    qual você irá escolher, contanto que opte por um material com boa durabilidade e

    qualidade para evitar vazamentos.

     

    A DESCARGA

     

    Válvulas de descargas fixas nas paredes dos banheiros trazem grande prejuízo na

    conta de água. Se puder, opte por caixas de descargas que são instaladas acima do

    vaso sanitário. Essas caixas trazem maior controle da quantidade de água utilizada,

    pois se limita ao volume armazenado.

     

    CAIMENTO DO PISO

     

    Quando houver a instalação de ralos, o piso deve ter um leve caimento para

    direcionar o fluxo da água para ele. Isso evita o acúmulo de água e previne infiltrações

    no solo que podem levar a rachaduras e comprometer a estrutura como um todo.

    Além disso, facilita a limpeza diária.

     

    VISTORIA SANITÁRIA

     

    Assim que a instalação hidráulica da sua casa estiver sendo finalizada, solicite uma

    vistoria da empresa responsável pelo fornecimento de água no local.

     

    Você deverá pedir para que verifiquem a existência de vazamentos na rede externa

    próxima à sua casa, e que analisem a pressão e o fluxo da água, assim como o

    funcionamento adequado dos registros.

     

    Esperamos que tenha gostado das nossas dicas de hidráulica

    para construção da sua casa!

     

    Aguarde que em breve enviaremos novas dicas!

    Queremos estar ao seu lado durante todo o processo de estruturação da sua casa.

  • Prefeito de Botucatu convoca donos de imobiliárias e loteamentos para atuação contra escorpiões

    O Prefeito Mário Pardini convocou na manhã da última quarta-feira, 16, representantes das principais imobiliárias e loteamentos de Botucatu, para uma importante reunião no Gabinete. Entre as pautas da reunião estiveram o decreto que autorizou situação de emergência à saúde pública de Botucatu para o combate a proliferação de escorpiões e do Aedes aegypti, e consequentemente a limpeza dos terrenos baldios em toda a Cidade.

    Pardini solicitou aos empresários que comunicassem seus clientes, informando-os da necessidade de manterem as propriedades limpas e em conformidade com as legislações sobre a responsabilidade de cada dono de terreno.

    “Com a ajuda das imobiliárias e loteadores vamos alcançar ainda mais proprietários que precisam cuidar de seus terrenos. Com isso, minimizaremos os riscos de acidentes envolvendo animais peçonhentos. Iremos também, após o fim do decreto, montar uma comissão com a presença desses representantes, para elaborar estratégias de forma que o problema dos vários terrenos abandonados não se repita na Cidade”, afirmou Pardini.

    A reunião também foi palco para a solução de dúvidas de algumas questões por parte das imobiliárias e loteadores. Entre elas a multa pra quem não limpa sua propriedade e a responsabilidade sobre as calçadas dos imóveis.

    De acordo com o Código de Obras do Município, instituído pela Lei nº2.482, os proprietários que não realizarem a limpeza de seus terrenos poderão ser autuados com multa de R$ 5,50 por metro quadrado, o que equivale a R$ 1.375,00 para um lote padrão de 250 metros quadrados. A mesma lei esclarece também, em seu artigo 59, que os proprietários dos imóveis são responsáveis pela construção dos respectivos passeios (calçadas), além de mantê-los em perfeito estado de conservação.

    “Mesmo com o decreto e se colocássemos todos os 3 mil servidores municipais nas ruas para limpar terrenos particulares, seria praticamente impossível manter adequados os quase 20 mil terrenos baldios da Cidade. Portanto, é de extrema importância que todos se conscientizem e nos ajudem na luta contra os escorpiões”, finalizou Pardini.