Como escolher a melhor iluminação para sua residência

Para evitar gastos desnecessários e
contribuir para o meio ambiente, o projeto de iluminação de uma casa é
essencial. Conseguir o equilíbrio entre a luz natural e artificial é a melhor
opção e para isso é importante considerar uma série de coisas.

O projeto de iluminação deve considerar as dimensões de cada cômodo, sua função, a idade dos ocupantes e o tempo que permanecerão sob a luz artificial.

Na maioria das vezes a iluminação é
responsável pela característica do ambiente, definindo se ele é mais frio ou
quente, mais íntimo ou mais social, mais triste ou alegre. Unindo a iluminação
com a tonalidade das paredes você consegue estruturar o ambiente que deseja.

Vamos conhecer agora qual o melhor tipo de iluminação artificial para cada ambiente, considerando sua função.

Hall de Entrada: 

Use luz de baixa intensidade para criar
um clima acolhedor. Em geral esses ambientes são de pequenas dimensões.

Intensidade: baixa

Tipo:  um ou dois focos de lâmpada dicróica voltados
para elementos de decoração é mais que suficiente, criando um clima agradável e
acolhedor. 

Sala de Estar

Não use lâmpadas para dar destaque e
nem focos dirigidos sobre os sofás e poltronas. Use circuitos diferentes para
acender a iluminação em etapas (uma parte do cômodo de cada vez)

Intensidade: média

Tipo: lâmpadas difusas
em abajures ou pedestais, podendo também utilizar luminárias de coluna com
lâmpadas halógenas dirigidas para o teto. No caso do living com teto rebaixado,
utilize luminárias direcionáveis dirigidas para os quadros ou objetos de
decoração. 

Sala de Jantar 

Aqui o ideal é uma luz superior na
direção da mesa, que pode ser pendente (mantenha uma distância de 60 a 80 cm
entre a luminária e a mesa) ou presa ao teto.
Intensidade: média-alta

Tipo: bulbo de
tungstênio emite brilho quente e suave

Não usar:
lâmpadas halógenas ou incandescentes que projetam luz marcante e irradiam muito
calor

Cozinha 

Na cozinha o ideal é usar luz clara,
afinal, é um ambiente de trabalho que necessita de boa iluminação.

Intensidade: alta

Tipo ideal: refletores
e tubos fluorescentes que criam luz clara, brilhante e sem sombra

Não usar: lâmpadas
de baixa reprodução de cores

Dormitório 
Muitas vezes o dormitório é usado
também para outras finalidades, como trabalhar ou estudar. Nesses casos a
instalação de um “dimmer” ajuda bastante porque quando a pessoa está
trabalhando, pode deixar a luz mais forte e quando estiver descansando, mais
fraca.

Luminárias nas cabeceiras são bem
vindas, principalmente na hora de deitar ou ler um livro e também no caso de
precisar se levantar durante a noite.

Intensidade: média/alta
no teto e baixa nas luminárias laterais

Tipo ideal: lâmpadas
comuns branco suave

Não usar: lâmpadas frias                                                                                                  

Banheiro 
O banheiro é um lugar para relaxar depois de um dia de trabalho por
isso deve ser um ambiente acolhedor. O ideal é não ter luz no teto e sim nas
laterais, numa altura acima dos olhos.

Intensidade: média/
luz tênue

Tipo ideal: lâmpadas
comuns branco suave

Não usar: lâmpadas frias

No espelho uma boa dica é usar lâmpadas de tungstênio em volta do espelho como
nos camarins, porque ela projeta uma luz mais quente na face.

Um bom jogo de luz pode
valorizar espaços, ser funcional e ainda reduzir o valor da conta no fim do
mês. Abuse de diferentes tipos de lâmpadas e crie ambientes superespeciais na
sua nova casa.

Esperamos que tenha gostado das nossas
dicas para a sua casa!

Aguarde que em breve traremos novas dicas!

Queremos estar ao seu lado durante todo
o processo de estruturação da sua casa.